quarta-feira, 30 de setembro de 2015

Lutar por um amor não é o que você pensa.

Uma amiga me procurou, estava sofrendo, foi dispensada pelo ficante mas, sentiu que não lutou o suficiente para fazer com que aquela relação desse certo. Precisava conversar. primeiro eu brinquei e disse que essa frase "lutar por amor" só fica bem nas músicas do Amado Batista, mas aí percebi que era sério.

Comecei a ouvir a história desde o começo para dar o meu parecer, ajudar como melhor podia, e foi aí que a coisa me soou mais como um filme no "replay" do que a história dela em si e enquanto ela falava eu me vi a mim e a tantas outras pessoas em algum momento da vida que por instantes eu já nem a ouvia, só viajava no tempo. Tratava-se de um clássico: era uma relação no começo, meio ou fim, isso não importa, e alguém perdeu o interesse e decidiu abandonar o barco. O desespero é todo de quem fica, a dor do abandono, a sensação de ter os seus sentimentos traídos, desvalorizados. Enfim, quem fica para trás vai ter que arcar com as consequências como gente grande, o que na teoria é fácil de entender, mas na prática custa muito.

Ela disse que sentiu que estava "perdendo sem lutar" e que talvez devesse procurá-lo e buscar uma solução, mas o fato é que ouvindo todo o enredo era  muito óbvio que ela estava se enganando para aliviar a dor. Custava-lhe admitir para si mesma que a partir daquele ponto já mais nada poderia ser feito por ela: ele não estava apaixonado, quem estava era ela apenas e sozinha. Então o que fiz foi aconselhá-la, por experiência própria, a evitar infligir a si mesma mais dor e fui categórica "não o procure mais, deixe que ele faça isso já que a decisão de encerrar o caso foi dele". - e sem nenhuma surpresa ela certamente não me ouviu e lembrou de coisas para buscar na casa dele, quis ir num lugar que eles haviam ido juntos mas, ela não lembrava o endereço, precisava entregar um livro que havia prometido à irmã do cara, inventou o que pode para vê-lo e se rendendo a resistência dele teve de admitir a verdade e foi aí que recebeu o tiro de misericórdia "você não entendeu que nós não temos mais nada para falar, acabou, eu não quero te ver. Você precisa superar, encontrar alguém que goste de você". ALGUÉM QUE GOSTE DE VOCÊ!!! Precisava mesmo "lutar" para ouvir isso?

Precisava. Eu precisei, muitos ainda precisam sucessivamente até entender que só há uma razão para lutar por amor, é quando ele existe e é mútuo, quando duas pessoas querem estar naquela relação, mas algumas diferenças a dificultam. Então é hora de sentar e conversar a fim de encontrar uma solução que abrange à ambas as necessidades, mas nunca "lutar" por alguém que não tem por ti os mesmos sentimentos que você, pois assim em vez de atrair essa pessoa tu vai parecer mais um fã obcecado/a do que alguém com quem valha a pena tentar uma relação.

Todos nós precisamos de espaço e liberdade para botar nossas ideias em ordem e o que não queremos hoje podemos querer amanhã, então quem decide sair de uma relação está assumindo um risco de perder para sempre e se mesmo assim arriscou é porque realmente não está sentimentalmente envolvido o suficiente para temer a perda. - logo, colega: siga em frente que dói menos.

Ao fim a consolei por três dias que me fizeram duvidar que ela fosse voltar a comer. Aos poucos foi assimilando o fim como pôde e puff! Superou, esqueceu! Porque é assim mesmo que acontece, mas a gente só sabe quando experiencia na carne.


Agora te deixo com a maior balada da dor de cotovelo de todos os tempos, chore sem precedentes porque ...
Love Hurts